Terça-feira
12 de Novembro de 2019 - 
Toda questão possui dois lados, eu ficarei do seu!
“Cometer injustiça é pior do que sofrê-la” (Platão)
“Interpretar a lei é revelar o pensamento, que anima as suas palavras” (Clóvis B ...
“As leis são sempre úteis aos que possuem e nocivas aos que nada têm” (Jean-Jac ...
“O fim do Direito não é abolir nem restringir, mas preservar e ampliar a liberda ...
"As leis abundam nos Estados mais corruptos" (Tácito)
“A mais bela função da humanidade é a de administrar a justiça” (Voltaire)
"Avocatus non ladrum" (Santo Ivo)
“A injustiça em qualquer lugar é uma ameaça à justiça por toda parte” (Martin Lu ...

Controle de Processos

Utilize seu login e senha.

Informativos E-mail

Cadastre seu e-mail aqui.

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro, RJ

Máx
26ºC
Min
22ºC
Chuvas Isoladas

Quarta-feira - Rio de Janeiro, RJ

Máx
30ºC
Min
20ºC
Pancadas de Chuva a

Quinta-feira - Rio de Janeiro, RJ

Máx
26ºC
Min
22ºC
Chuva

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 4,16 4,16
EURO 4,58 4,59

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .

Últimas notícias

RF2 reconhece existência de improbidade administrativa em convênio

Publicado em 21/10/2019A Terceira Turma Especializada do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, por unanimidade, negou provimento a recurso interposto por dois empresários, contra sentença da Justiça Federal que julgou procedente ação de improbidade administrativa, tendo em vista suposta apropriação de verbas públicas federais destinadas a projeto social, mediante simulação de compras, bem como de emissão de notas fiscais superfaturadas.Os apelantes são proprietários de empresas que celebraram convênio com o Ministério dos Esportes visando à implantação de programa social destinado à criação de 25 núcleos de esporte educacional em unidades escolares.Na sentença, o juiz entendeu que o coordenador do projeto atuou como mentor do desvio de recursos exposto, com a ciência e a participação dos proprietários das empresas com as quais negociava. Também considerou que os réus tinham conhecimento do caráter fraudulento das aquisições simuladas de mercadorias e do superfaturamento de notas fiscais junto a suas empresas, ou seja, comportamento doloso que extrapola a mera má administração de recursos públicos, revelando esquema de fraudes.Distribuído para o TRF2, o processo teve como relator o desembargador federal Ricardo Perlingeiro, que assinalou que a conduta ilícita do agente público deve apresentar as características de desonestidade, má-fé e falta de probidade no trato da coisa pública. “Portanto, confirma-se que os recorrentes tinham conhecimento do caráter ilícito de seus atos, tendo optado conscientemente por sua realização, a evidenciar existência de dolo. Assim, dado o prejuízo aos cofres públicos e o locupletamento pessoal de recursos da União Federal, correta a sentença que reconheceu a existência de atos de improbidade administrativa” – concluiu.Processo 2015.51.10.011760-1  Assuntos:DecisõesTRF2 ^
21/10/2019 (00:00)
Visitas no site:  201812
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.