Quinta-feira
15 de Novembro de 2018 - 
Toda questão possui dois lados, eu ficarei do seu!
“Cometer injustiça é pior do que sofrê-la” (Platão)
“Interpretar a lei é revelar o pensamento, que anima as suas palavras” (Clóvis B ...
“As leis são sempre úteis aos que possuem e nocivas aos que nada têm” (Jean-Jac ...
“O fim do Direito não é abolir nem restringir, mas preservar e ampliar a liberda ...
"As leis abundam nos Estados mais corruptos" (Tácito)
“A mais bela função da humanidade é a de administrar a justiça” (Voltaire)
"Avocatus non ladrum" (Santo Ivo)
“A injustiça em qualquer lugar é uma ameaça à justiça por toda parte” (Martin Lu ...

Controle de Processos

Utilize seu login e senha.

Informativos E-mail

Cadastre seu e-mail aqui.

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro, RJ

Máx
36ºC
Min
21ºC
Pancadas de Chuva a

Sexta-feira - Rio de Janeiro, RJ

Máx
28ºC
Min
20ºC
Chuva

Sábado - Rio de Janeiro, RJ

Máx
31ºC
Min
21ºC
Poss. de Panc. de Ch

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,79 3,79
EURO 4,30 4,30

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .

Últimas notícias

II Congresso Internacional da ESA/RS é aberto com painéis sobre a Constituição Federal e a Inteligência Artificial

Foi com o auditório do OAB Cubo lotado que o II Congresso Internacional da ESA/RS, um dos maiores eventos de Direito da região sul, teve seu início na tarde desta segunda-feira (13). O Congresso reuniu cerca de 600 inscritos, que refletiram e debateram sobre os “30 anos da Constituição Federal e os Novos Desafios da Advocacia”. Cinco oficinas de áreas específicas do Direito, Ambiental, Bancário, Estudos Constitucionais, Pacto Federativo e Propriedade Intelectual, iniciaram as reflexões, e quatro painéis debateram sobre o Direito Digital, a Arbitragem, a Constituição e a Digitalização.   A abertura do Congresso teve a apresentação musical do coral da CAA/RS, que cantou, além dos hinos nacional e rio-grandense, músicas da MPB.  Na abertura, o presidente da OAB/RS, Ricardo Breier, falou sobre a importância do Congresso para a advocacia, dos persos painéis e das persas palestras com juristas renomados. “Este evento, sem dúvida, representa o papel da Ordem de não melindrar as suas palavras sobre os desafios e avanços, e, principalmente, sobre os retrocessos que não foram adquiridos, na prática, na Constituição Federal. Temos grandes desafios pela frente, mas nós, advogados (as), a OAB nacional e suas 27 seccionais seguiremos lutando pela manutenção dessa Constituição e cobrando daqueles que devem executar aquilo que está previsto nela”, salientou. Breier ainda criticou a situação política atual e enfatizou a campanha do Vote Consciente.  “Não foi a Constituição que traiu a sociedade brasileira, não foram as promessas, mas sim aqueles que deveriam fazer o bem comum: a própria política e os políticos que denegriram a história deste país e que colocaram-na em risco também. E todos nós, dirigentes de Ordem, não permitiremos que isso aconteça de novo, vamos lutar até o fim para que o Brasil possa tomar um rumo diferente. Seguiremos sempre com a nossa campanha do Vote Consciente para levar a importância do voto a todos”, afirmou. Em seu discurso, a diretora-geral da Escola Superior de Advocacia, Rosângela Herzer, agradeceu a todos da ESA/RS pela organização do evento, ENA , CAA/RS e ASP “esse Congresso só se tornou possível pela colaboração de vocês, que foram fundamentais”. Ela ressaltou o aniversário da Escola, que comemora 33 anos neste mês, e comemora com a realização do Congresso e com a nova estrutura da Escola, OAB Cubo. A diretora ainda frisou os números de participações na ESA. “Conseguimos realizar 235 cursos aqui pela ESA e 162 cursos telepresenciais em parceria com a ASP. Tivemos ao todo 119 mil participantes. Vamos ter muitos painelistas renomados nesses dois dias, e que serão disponibilizados em EAD. E, portanto, agradeço a todos por fazerem parte da história da nossa ESA”, enfatizou. Na ocasião, o diretor-geral da Escola Nacional de Advocacia (ENA), José Alberto Simonetti Cabral, também agradeceu o empenho e trabalho da OAB/RS, ESA/RS e do Conselho Federal pelo evento: “Agradeço também o corpo de colaboradores do sistema OAB, que fazem parte do sucesso desse evento. Esse sentimento externo também a todos os diretores de Escola Superior da Advocacia das seccionais, e, sobretudo, ao nosso presidente nacional da OAB, Claudio Lamachia, que finaliza essa gestão com muito êxito. O conhecimento é inesgotável”, disse. Lançamento do e-book  Após a abertura, a ESA/RS lançou o e-book “30 anos da Constituição Federal na Visão da Advocacia: Avanços e Retrocessos”. A obra é uma colaboração de presidentes e membros de todas as Comissões da Ordem gaúcha que escreveram artigos referentes ao tema.  Estiveram presentes na mesa de abertura: vice-diretor da ESA/RS, Marcos Eberhardt; diretor de cursos presenciais da ESA/RS, Darci Ribeiro; diretor de cursos não presenciais da ESA/RS e membro do Conselho Consultivo da ENA, Eduardo Barbosa; secretária-geral da CAA/RS, Melissa Telles Barufi; diretor financeiro da ESA/RS, Otto Barreto; Desembargador, Francisco José Moech; diretora cultural da ASP, Fátima Cristina Bonassa Bucker. Painéis O primeiro painel do Congresso abordou o Direito Digital. A advogada e especialista no tema, Camilla Jimene, abordou o tema: “Reflexões sobre Direito Digital e Inteligência Artificial”. Segundo a palestrante, a tecnologia tem um papel importante positivamente e negativamente, seja na vida pessoal, seja na vida profissional: “Hoje, nós somos muito apegados às tecnologias. Nós vamos ser a primeira geração que viveu a transição do analógico para o digital e, cada vez mais, vamos precisar nos adequar ao meio digital”, disse. “Existem persas ferramentas digitais voltadas para o exercício profissional da advocacia e elas não serão lançadas daqui a 10 ou 20 anos, mas daqui a um mês, um ano. A tecnologia tem evoluído muito rápido, principalmente na década atual”, concluiu.  No mesmo painel, o doutor em Direito, Wilson Engelmann, falou sobre “A inteligência Artificial no Cenário da (necessária) Ressignificação da Atividade da Advocacia”. Durante a sua fala, o convidado destacou o papel da inteligência artificial atualmente, e como a advocacia pode se preparar para a utilização de ferramentas tecnológicas no exercício profissional. “Precisamos avaliar, fazer pilotos, para então fazer algo no nosso escritório. Nem tudo é tão rápido como achamos. A Inteligência artificial, sem dúvida, substituirá o trabalho braçal. Ela ajuda a leitura, análise, a sistematização de muitas informações. Ela veio para ficar, então a gente se adapta a ela ou vamos sofrer os efeitos negativos dela”.    Na sequência, o Mestre e Doutor em Direito, Lênio Streck, abordou: “De como o Ativismo Judicial Envelheceu a Jovem Constituição”. “Todos os países do mundo tem ativismo judicial”, começou. “Eu tenho sido duro quanto à Constituição. Eu posso dizer que, no livro que publiquei, fiz uma radiografia dos 30 anos da Constituição, e mostro por que chegamos a esse ativismo judicial, e por que o ativismo judicial é pernicioso”, falou. “É possível demonstrar que todo ativismo é ruim sempre, e um dos problemas da doutrina brasileira é que não separa ativismo de judicialização”, concluiu. Arbitragem em Matéria de Societária e Contratual, tema abordado durante o evento, conduzida pelos palestrantes André Estevez, doutor em Direito pela USP; e Rafael Dresch, doutor em Direito pela PUCRS; com a mesa de trabalhos organizada pelo presidente da Casa de Mediação, Ricardo Dornelles. Os desafios e perspectivas da Arbitragem foram abordados por Estevez: “A arbitragem, por mais que seja atualmente bastante comentada, não é um assunto novo. Já existia até na Constituição de 1824”, contou. “Mas este tema passou a tomar uma grande dimensão na criação da Lei 9.307/1996, que deu um salto na arbitragem. Dali, passou a ser possível vincular as partes previamente, para dirimir litígios”, comentou. “Entre suas vantagens, estão a flexibilidade, celeridade, confidencialidade e informalidade”, lembrou. Já Dresch, falou sobre Contratos na Arbitragem. “Desde o Direito Romano, principalmente no período clássico, optava-se pela resolução de controvérsias através da arbitragem. Esse tema, intrinsicamente, é vinculado aos contratos. A Arbitragem surge a partir da vontade das partes. E essa escolha vai ocorrer através de um compromisso arbitral ou uma cláusula compromissória, que vai estabelecer e determinar essa opção pela arbitragem”, explicou.  O último painel da noite foi conduzido pelo presidente da Comissão do Pacto Federativo e Controle Social, Ricardo Hermany, e teve como palestrante a professora, doutora pela Universidade de Coimbra, Alessandra Aparecida Souza Silveira. Ela abordou o tema Constituição e Digitalização: a Caminho da Democracia 4.0? Alessandra destacou: “O tema consiste numa mudança cultural. O digital provoca perspectivas para o imediato. O desafio é como dinamizar a legitimidade democrática", disse.  O II Congresso da ESA continua nesta sesta-feira (14). Veja a programação: 09h - O Novo Processo Penal e Sancionatório Brasileiro e sua Aplicação a Institutos Provenientes de Legislação Estrangeira – Delação Premiada e Acordo de Leniência • Gilson Langaro Dipp Acordos com Repercussão Penal: Colaboração Premiada e Leniência • Alexandre Wunderlich A Espetacularização do Processo Penal • Thaís Bandeira Oliveira Passos  10h - XXV Encontro Nacional da Escola Nacional de Advocacia e Escolas Superiores de Advocacia (Exclusivo para Dirigentes de ESAs) 10h30 - Os Desafios da Advocacia Familiarista na Crise do Direito de Família Codificado • Dimitre Soares  11h   A Atuação do Advogado no Processo Administrativo diante do INSS Digital • Jane Berwanger O Processo Judicial Previdenciário: Necessário Equilíbrio entre a Celeridade e a Qualidade • Daniel Machado da Rocha   Desafios da Advocacia na Área Previdenciária • Naiara de Moraes e Silva      14h Os Direitos Sociais aos 30 anos da Constituição Federal • Ingo Wolfgang Sarlet Estado de direito democrático e desafios constitucionais • Alex Sander Xavier Pires    15h O Modelo Constitucional de Processo Civil: a que ponto chegamos depois de 30 anos de Constitucionalismo?   • Alexandre Antônio Freitas Câmara Considerações sobre os Agravos no 2º grau de Jurisdição • Arminio José Abreu Lima da Rosa   16h   Advocacia Trabalhista frente à Lei 13.467/17 • Gelson de Azevedo  A Reforma Trabalhista na visão da Advocacia: relacionamento com os clientes e uma nova era no exercício profissional • Rafael Lara Martins    17h   Princípios fundamentais do Direito Ambiental • Paulo Affonso Leme Machado O Futuro da Advocacia Ambiental: entre o Estado de Direito e a Sustentabilidade na Constituição • Delton Winter de Carvalho  18h Responsabilidade por danos ao consumidor nos 30 anos da constituição da República • Bruno Miragem   18h30 - Coaching Jurídico    • Afonso Paciléo    19h30 - Conferências de Encerramento   O Controle da Constitucionalidade  • Nelson Jobim    Os Desafios da Advocacia nos 30 anos da Constituição Federal  • Claudio Pacheco Prates Lamachia    20h30 -Coquetel de Encerramento  Apresentação Artística
13/09/2018 (00:00)
Visitas no site:  153063
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.